Notícias

Vida melhor e sem violência para as mulheres

Notícias - 22 de setembro de 2020

Tempo de leitura: 4min

Saiu na FOLHA DE PERNAMBUCO.

 

Veja a Publicação original.

Desde minha formação profissional na graduação da Universidade de Pernambuco (UPE), tendo como campo de prática a maternidade e o ambulatório da mulher do Centro Universitário Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (CISAM), que me encantei com a área de saúde da mulher. O contato direto com as mulheres, a escuta das suas queixas, a falta de conhecimentos básicos nas questões de higiene, autoestima muito baixa, contracepção, exames preventivos, vivencias na esfera sexual, me despertaram um grande interesse e compromisso em colaborar.

O pouco conhecimento que tinha adquirido, muito embora ainda fosse jovem e pouco experiente, me inquietava, mexia comigo. Então concluí que era esta a área na qual devia atuar. Tive muita sorte porque, quando estava com 15 dias de parida, arrumei o primeiro emprego: trabalhar como enfermeira em um projeto de pesquisa voltado para a saúde sexual e reprodutiva de adolescentes, que era realizado no ambulatório do CISAM.

A partir daí minha trajetória profissional na saúde da mulher se consolidou. Enfrentei vários desafios como, por exemplo, gerenciar o ambulatório da mulher do CISAM por 11 anos; coordenar a saúde da mulher no município do Cabo de Santo Agostinho por 1 ano e meio; 12 anos na coordenação da saúde da mulher do Recife. Hoje, estou como coordenadora de enfermagem do CISAM e, como docente, coordeno o módulo da saúde da mulher na Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças (FENSG), outro grande e prazeroso desafio. A troca de conhecimentos e a possibilidade de poder contribuir com a formação profissional de novos enfermeiros(as), buscando um olhar focado integralmente na mulher e suas necessidades físicas, raciais, sexuais, reprodutivas, econômicas e culturais.

Eu diria que nos anos 90 o CISAM viveu um momento de ascensão como unidade de ensino e reconhecimento, local e nacional, tendo à frente uma gestão bastante atuante na garantia dos direitos reprodutivos. Foram feitos muitos investimentos na área de formação profissional em gênero e saúde sexual e reprodutiva, tendo como missão atender a mulher em sua integralidade. Trabalhamos sempre em conjunto com organizações feministas que contribuíram bastante com as formações.

Os índices de violência sexual e doméstica contra as mulheres em Pernambuco eram e continuam elevados. A Secretaria Estadual de Saúde (SES) buscou identificar na rede de serviços aquele que tivesse o perfil, vontade e compromisso em assumir o grande desafio deste acolhimento. Então, em 1996 foi instituído no CISAM, através da Portaria Nº 070/96, o atendimento às mulheres e adolescentes em situação de violência sexual e aborto legal. A SES decidiu assim, tornar o CISAM uma referência em saúde da mulher para o estado de Pernambuco.

Toda a equipe de saúde da maternidade passou por um processo de formação profissional, organizado através de cursos de sensibilização e formação para acolhimento, orientação, profilaxia, tratamento e interrupção da gestação. Foram elaborados e criados protocolos e fluxos para organização do serviço, além de determinação de espaços privativos para o atendimento destes casos.

Em se tratando do CISAM ser um hospital de ensino na área da saúde, a formação profissional e atualização da equipe se faz necessária e deve ser continuada. A oferta de cursos nos mais diversos temas para garantir atenção humanizada à mulher no trabalho de parto, parto e puerpério, nos direitos reprodutivos com oferta de métodos de longa duração, como dispositivo intra uterino, implantes, manejo com preservativos vaginais e penianos, aprimoramento em técnicas cirúrgicas, entre tantos outros temas, é permanente. Tudo isso com o objetivo de qualificar a equipe multiprofissional e ao mesmo tempo assegurar uma assistência de boa qualidade para mulheres e  crianças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *