Notícias

Mais um passo para a aceitação da diversidade

Notícias - 26 de junho de 2018

Tempo de leitura: 2min

Saiu no site UNIVERSA:

 

Veja publicação original: Mais um passo para a aceitação da diversidade

.

O site oficial da OMS (Organização Mundial da Saúde) compartilhou a publicação de um novo manual de Classificação de Doenças, conhecido também como CID – em que a anuncia a a medida de retirar a transexualidade da lista de doenças mentais da agência da ONU (Organização das Nações Unidas).

.

Lale Say, coordenadora da Equipe de Adolescentes e Populações em Risco da OMS, diz que as evidências agora são claras de que a incongruência de gênero não é um transtorno mental, e classificá-la desta maneira causa enorme estigma para as pessoas transgênero.

.

A psicóloga americana Kristina Olson, que dirige um dos principais centros de pesquisa do mundo sobre pessoas transgêneros — aquelas que não se sentem identificadas com o seu corpo, ou seja, sua identidade de gênero é diferente daquela designada no nascimento — conta que muitos adultos já sabiam que eram transgêneros desde crianças, mas ignoravam a palavra adequada para isso.

.

Pela história, desde a Antiguidade, há diversos exemplos de pessoas transgêneros.  Um deles é o mito grego de Tirésias, profeta cego de Tebas – famoso por ter passado sete anos transformado em uma mulher. Outro, o imperador romano Heliogábalo se casou formalmente com um escravo, adotou o papel de esposa e oferecia metade de seu império ao médico que o equipasse com uma genitália feminina.

.

Transexuais vieram à superfície social há pouco tempo e são alvo de muitos preconceitos. Afinal, aceitar a ideia de que um homem deseja ser uma mulher e vice-versa é difícil de ser digerida pelos conservadores, que não aceitam quem escapa dos modelos.

.

Por isso há tanto preconceito e, consequentemente, tanto sofrimento.

.

Por que tanto preconceito? Olson acredita que conforme formos conhecendo pessoas transgênero, passamos a ser mais tolerantes com a diversidade. Sem dúvida, a retirada da transexualidade da lista de doenças mentais é uma grande contribuição para isso.

 

 

.

.

.

.

.

.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *