file-20191031150229-640x4403

No ambiente empresarial, debate sobre a influência das mulheres no mundo dos negócios

Saiu no site FIESP

 

Veja publicação original: No ambiente empresarial, debate sobre a influência das mulheres no mundo dos negócios

.

A contribuição das mulheres é indispensável à economia global e cada vez mais é percebida como estratégia potencial

.

Por Alex de Souza e Tássia Almeida

.

Diante de um salão nobre repleto para o seminário “A influência das mulheres no mundo dos negócios”, o presidente da Fiesp/Ciesp, Paulo Skaf, anunciou a criação imediata do Conselho Superior de Mulheres com o objetivo de ser um espaço de discussões e ações permanentes. “A diversidade é essencial para o progresso do país e a sociedade precisa da força das mulheres. O exemplo vale mais do que palavras. Por isso, queremos montar um grupo feminino que possa pensar e debater o Brasil, o que será feito pelo Conselho Superior de Mulheres, que acaba de ser instituído”, afirmou Skaf, explicando que os membros desse novo Conselho serão designados posteriormente.

.

A abertura também contou com a presença do 2º diretor financeiro da Fiesp, Sylvio de Barros, que destacou a importância da equidade no âmbito empresarial e lembrou que o conceito deveria ser premissa básica e natural em toda a sociedade. Em seguida, passou a palavra para a empresária Luiza Trajano, integrante do Conselho Superior Estratégico da Fiesp e presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza, que elencou práticas de sucesso e defendeu a igualdade entre gêneros.

.

Ela afirmou que antigamente as empresas se importavam apenas com o resultado final, sem se preocupar se seus colaboradores estavam felizes. Mas hoje, para que uma empresa seja bem-sucedida, é essencial considerar os aspectos sociais do negócio. Ao falar sobre a ocupação de posições de chefia nas empresas foi conciliadora: “Não podemos ser contra o homem, mas juntar esforços para mudar esse cenário. E eu acredito na força da união de homens e mulheres. É claro que há muito menos mulheres que homens em cargos de liderança nas empresas, mas isso pode mudar rapidamente”, afirmou.

.

“Embora muita gente torça o nariz para essa política, até mesmo mulheres, sou totalmente a favor de cota, que nada mais é que um processo transitório para acertar as desigualdades. Sem isso, vai levar 110 anos para que haja igualdade entre homens e mulheres em Conselhos de Administração”, disse Trajano, citando estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Por fim, a empresária destacou diversas ações para valorização das mulheres, como o cheque-mãe, uma espécie de auxílio-educação, o programa de carreira para mulheres e as campanhas de conscientização sobre a violência contra elas.

.

.

Na sequência, o CEO da Avon, José Vicente Marino, apresentou as práticas da empresa, seus conceitos e visão: “Nossa preocupação não é apenas com a beleza estética, mas proporcionar a beleza social. Se as mulheres se sentem mais bonitas, elas espalham essa beleza e se tornam bem-sucedidas em tudo o que fazem, e as empresas onde trabalham também progridem e contribuem para uma sociedade melhor”.

.

Depois de sua fala, Marino e Skaf assinaram o documento Coalisão Empresarial, pelo fim da violência contra mulheres. O objetivo da carta é mobilizar lideranças do setor privado para garantir o compromisso voluntário em relação à causa.

.

.

Força econômica: as mulheres decidem 2/3 das compras de produtos e serviços e gastam quatro vezes mais que os homens

.

A contribuição das mulheres é indispensável à economia global e cada vez mais é percebida como uma estratégia potencial no mundo dos negócios. Ana Célia Biondi, CEO da JCDecaux, destacou dois fatos importantes relativos à mulher no mercado de trabalho. “Primeiro, os números são alarmantes. São poucas em conselhos, cargos de direção e ainda temos as diferenças salariais, isso é um fato. O segundo é que, quando existem mulheres em cargos de direção, o resultado da empresa é 47% melhor”, disse. Biondi ainda destacou que 54% dos colaboradores no escritório paulista da JCDecaux são mulheres, mas elas ainda são poucas na área de operação. A empresa tem programas fortes sobre assédio moral e sexual.

.

Ana pontuou que a empresa de mídia digital alcança cerca de 40 milhões de pessoas por dia e isso reforça a responsabilidade de jogar luz em temas importantes como a exploração sexual, destaque na campanha #menornão que a JCDecaux desenvolveu em parceria com o Instituto Liberta.

.

Gabriela Manssur, promotora de Justiça, destacou que 51% das mulheres estão no mercado de trabalho e que 30% sofrem violência doméstica. Para ela, é imprescindível defender o engajamento das empresas no combate à violência contra a mulher. “Cada mulher que sofre violência doméstica custa R$ 2.500 para o Estado”, disse, e acrescentou que 80% dos líderes nos setores público e privado são homens. Portanto, engajá-los nas pautas femininas é fundamental para que criem oportunidades para as mulheres estarem em cargos de liderança.

.

Adriana Carvalho, gerente dos Princípios do Empoderamento Econômico e Coordenadora no Brasil do Programa Ganha-Ganha de Igualdade de Gênero, finalizou o encontro com dados relevantes sobre a mulher e igualdade de gênero. De acordo com ela, as empresas que têm pelo menos uma mulher em Conselho de Administração e 15 em liderança, são mais lucrativas e saudáveis, com maior capacidade para inovar e ser mais competitiva. Sobre investir na igualdade de gênero, ela disse que além de ser o mais certo, é o mais inteligente também. “Municípios brasileiros com menos desigualdade social são os que têm maior crescimento do PIB”, completou.

.

“Empresa que recebe todo mundo de braços abertos, onde posso ser quem eu sou, é mais produtiva. Se eu sofro uma violência em casa e a empresa me acolhe, eu sou mais feliz lá dentro, gasto mais energia produzindo e sou mais eficiente”, disse. “As mulheres decidem dois terços das compras dos produtos e serviços e gastam quatro vezes mais que os homens. Quando aumento a renda das mulheres, aumento o consumo. Não faltam razões econômicas para debater sobre a mulher”, acrescentou a gerente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

 


Compartilhe nas suas redes sociais!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será divulgado.