pol___marcha_das_margaridas_em_brasilia___foto_marcelo_camargo_agencia_brasil-8809933

Mulheres indígenas e camponesas se unem em marcha por direitos

Saiu no site JORNAL DO COMÉRCIO

 

Veja publicação original:   Mulheres indígenas e camponesas se unem em marcha por direitos

.

Trabalhadoras rurais e pescadoras se reuniram a mulheres indígenas na Esplanada dos Ministérios na manhã desta quarta-feira (14) em protesto para pressionar o governo Jair Bolsonaro (PSL). O encontro marca o encerramento da 1ª marcha das Mulheres Indígenas, cujo mote é “Território: nosso corpo, nosso espírito”, e o início da marcha das Margaridas, com o tema de “luta por um Brasil com soberania popular, democracia, justiça, igualdade e livre de violência.”

.

A Polícia Militar estima a participação de 20 mil pessoas. Já os organizadores falam em 100 mil, de mais de 40 entidades de diferentes estados e países.

.

A marcha das Margaridas, realizada desde 2000 a cada quatro anos, foi batizada em homenagem à sindicalista Maria Margarida Alves, assassinada em 1983. O evento é coordenado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag). O mote deste ano é “Margaridas na luta por um Brasil com soberania popular, democracia, justiça, igualdade e livre de violência.” “Margarida, presente!”, gritavam as organizadoras, em referência ao grito em memória à vereadora Marielle Franco.

.

As trabalhadoras demandam igualdade de gênero, o fim da violência contra a mulher, agricultura sustentável, restrições ao uso de agrotóxicos e reforma agrária, entre outras questões.E não pouparam críticas aos presidente Jair Bolsonaro e ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

.

Neste ano, pela primeira vez, não entregaram ao governo a pauta de reivindicações. Em vez disso, escreveram uma plataforma política com dez eixos temáticos para compartilhar com a sociedade.

.

Embaladas por uma trilha sonora que incluiu Elis Regina, Luiz Gonzaga e Geraldo Vandré, as manifestantes chegaram à Esplanada dos Ministérios às 10h. Algumas pessoas passaram mal e tiveram que ser socorridas por bombeiros.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Compartilhe nas suas redes sociais!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será divulgado.