Marcia-Barbosa-1024x556

Iniciativas ajudam mulheres a se destacarem na área da tecnologia

Saiu no site PORTAL SEGS

 

Veja publicação original: Iniciativas ajudam mulheres a se destacarem na área da tecnologia

 

.

Plataforma de avaliação de empresas e escola de liderança oferecem soluções assertivas para profissionais do gênero feminino

.

Por Marcella Costa

.

A plataforma da HerForce pode ser acessada pelo site www.herforce.com.br)

.

A forma como mulheres e homens são criados influencia diretamente na vida profissional e pessoal de cada um. Uma das consequências é a falta de representatividade de mulheres em equipes de todas as áreas do mercado, mas principalmente na tecnologia.

.

Até o ano passado, grandes empresas desse setor como o Facebook, Google, Twitter e Apple, empatavam na lista feita pela agência de risco Standard & Poor’s com apenas um terço de suas equipes composto por mulheres.

.

Desde então, algumas dessas empresas já perceberam a importância e necessidade da diversidade em suas equipes. A Apple, por exemplo, aumentou em 6% o número de suas funcionárias, número ainda baixo perto do interesse e da quantidade de mulheres capacitadas e qualificadas na área da tecnologia.

.

Iniciativas como a HerForce, primeira plataforma de divulgação de vagas e avaliação de empresas voltada para mulheres no Brasil, quer mudar esse cenário o mais rápido possível. “Nosso propósito é conectar mulheres a empresas que valorizam a diversidade, além de ajudar as empresas a cuidarem de seu ambiente de trabalho e aumentarem a representatividade de mulheres em suas equipes”, explica a fundadora e CEO da HerForce, Silaine Stüpp, que sentiu na pele a desigualdade de tratamento pela qual as mulheres passam em entrevistas de trabalho, por exemplo.

.

Alunas da 3ª turma do Programa ELAS, feito pela primeira escola de liderança feminina do Brasil (Foto: Divulgação)

.

Segundo a gerente dos Princípios de Empoderamento Econômico da ONU Mulheres Brasil, Adriana Carvalho, 74% das meninas que estão em idade escolar possuem interesse no campo da ciência, tecnologia e exatas. No entanto, elas estão fora dos principais postos de trabalho gerados pela revolução tecnológica, sendo que, atualmente, apenas 25% da força de trabalho da indústria digital é composta por mulheres.

.

Para Carine Roos, cofundadora da ELAS, são inúmeras as barreiras que impedem as mulheres de acender no mercado de tecnologia. “A primeira delas tem a ver com estimulo que recebemos. Desde pequenas não somos estimuladas a ter um raciocínio mais analítico e lógico. As meninas ganham brinquedos mais relacionados com o cuidado – como, por exemplo, brincar de casinha”, explica Carine.

.

.

Em busca da diversidade e mais líderes mulheres

.

De acordo com a Associação Telecentro de Informação e Negócio (ATN), mais de 36 mil mulheres formadas na área de tecnologia buscam colocação no mercado.

.

Com o intuito de diminuir essa desigualdade, a plataforma da HerForce atua em duas frentes: dando voz às mulheres e credibilidade às empresas que buscam reforçar o valor da diversidade.

.

As profissionais podem avaliar uma organização em que já tenha trabalhado, responder critérios específicos ao público feminino, visualizar avaliações e comentários pela ótica de outras mulheres, acessar vagas de trabalho e enviar o currículo. Já as empresas podem criar seus perfis de marca empregadora, divulgar vagas, contratar serviços focados no aprimoramento do seu ambiente de trabalho e ainda obter o selo HerForce, indicando que empresa valoriza e exerce a diversidade de gênero e inclusão.

.

Com a missão de empoderar mulheres na sociedade e no trabalho, a ELAS, fundada em agosto de 2017, já impactou mais de 4 mil mulheres por meio de palestras, imersões e workshops. A escola possui 500 alunas certificadas, sendo que 30% delas já foram promovidas ou receberam aumento salarial dentro de seis meses após participarem do Programa ELAS.

.

O objetivo das iniciativas é tornar as participantes mais seguras, confiantes e autossuficientes. “Fazemos um trabalho de desenvolvimento pessoal, para que as mulheres, principalmente essas que estão em áreas em que são a minoria, possam exercer autoridade sem serem autoritárias. Assim elas aprendem a se posicionar em momentos nos quais são interrompidas, por exemplo”, conta Carine que trabalha em conjunto da Amanda Gomes, também cofundadora da escola.

.

Com uma metodologia própria, experiência em equidade de gênero e desenvolvimento comportamental, Carine e Amanda formam mulheres que desejam assumir posições de destaque no mundo corporativo e na sociedade. “Apesar do ambiente ainda não estar preparado para lidar com mulheres, ela terá as ferramentas necessárias para conseguir hackear o sistema”.

.

.

Sobre a HerForce:

.

Fundada em 2018, a HerForce é uma startup que atua no segmento de Recursos Humanos, com o propósito de conectar mulheres a empresas que valorizam a diversidade. A plataforma de divulgação de vagas e avaliação de empresas é a primeira da área voltada para as profissionais do sexo feminino no Brasil. Além de ajudar as organizações a cuidarem de seu ambiente de trabalho e aumentarem a representatividade em suas equipes, a HerForce dá voz as mulheres por meio das avaliações e comentários. No mesmo ano de sua fundação, a startup participou da primeira e segunda turma do programa Startup Zone, iniciativa do Google Campus, destinada para startups em estágio inicial. Acesse herforce.com.br e saiba mais.

.

.

Sobre a ELAS:

.

Criado em agosto de 2017 e alinhado aos Sete Princípios do Empoderamento das Mulheres nas empresas defendidos pela ONU, a ELAS (Exercendo Liderança com Assertividade e Sabedoria) é a primeira Escola de Liderança e Desenvolvimento voltada para mulheres que buscam assumir posições de destaque nas empresas ou na sociedade. Além de oferecer workshops, palestras e mentorias, a Escola se destaca por um curso exclusivo chamado Programa ELAS, sendo a formação mais completa e intensa da Escola de Liderança.

.

A Escola nasceu para promover mudanças rápidas e concretas na vida das pessoas e nos resultados das empresas, tendo como missão ser referência no desenvolvimento de mulheres no Brasil. A ELAS respeita a essência e o talento de cada aluna, garantindo uma medição do desempenho e da evolução pessoal promovido pelo treinamento. Acesse programaelas.com.br e saiba mais.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 


Compartilhe nas suas redes sociais!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será divulgado.