4398123_640x360

40 economias fizeram reformas pela igualdade de gênero desde 2017

Saiu no site G1

 

Veja publicação no site original:  40 economias fizeram reformas pela igualdade de gênero desde 2017

.

Estudo do Banco Mundial também mostra que, em média, mulheres têm apenas 75% dos direitos legais dos homens no mundo.

.

Em média, as mulheres de todo o mundo têm 75% dos direitos legais dos homens, segundo levantamento divulgado nesta terça-feira (14) pelo Banco Mundial, que mapeia como as leis afetam as mulheres em vários estágios de suas vidas.

.

Essa situação, no entanto, já foi pior. De acordo com o estudo, entre junho de 2017 e setembro de 2019, 40 economias promoveram 62 reformas legais para avançar a participação econômica feminina. Com as mudanças, a pontuação média global subiu para 75,2, uma ligeira melhora em relação aos 73,9 pontos registrados na publicação anterior, há dois anos – o indicador varia de 0 a 100.

.

Apenas oito economias têm a pontuação mais alta: Bélgica, Dinamarca, França, Islândia, Letônia, Luxemburgo, Suécia e Canadá – a última incorporada ao grupo nesta edição do levantamento, após estabelecer uma licença paternidade de 35 dias.

.

Não surpreendentemente, as economias que mais melhoraram na comparação com levantamento anterior estão entre as piores do ranking: Arábia Saudita, Emirados Árabes, Nepal, Sudão do Sul, São Tomé e Príncipe, Bahrein, República Democrática do Congo, Djibuti e Tunísia.

.

A pesquisa considerou 35 questões legais agrupadas em 8 categorias: mobilidade, local de trabalho, remuneração, casamento, maternidade, empreendedorismo, bens e benefícios sociais.

.

.

Brasil

.

A pesquisa não registrou reformas feitas no país desde o levantamento de 2017, que registrou pontuação de 81,9. O Brasil pontua melhor em mobilidade, local de trabalho, casamento e bens (todos com pontuação de 100), e pior em benefícios sociais (25), remuneração e empreendedorismo (ambos com 75).

.

.

Mudanças feitas

.

Segundo o Banco Mundial, entre as reformas estão mais proteções para as mulheres contra a violência doméstica (Armênia, Burkina Faso, Djibuti, Eswatini, Libéria, Marrocos, Emirados Árabes e Tunísia) e criação ou ampliação de licenças maternidade e/ou paternidade (Canadá, República Democrática do Congo, Chipre, República Tcheca, Fiji, Jordânia, Nepal, Paquistão, Filipinas, Sudão do Sul, Sri Lanka, Estados Unidos e Zâmbia.

.

País cuja condição registrou uma das melhoras mais acentuadas, os Emirados Árabes aprovaram mudanças que incluem a permissão para mulheres obterem passaporte sem necessidade de consentimento do marido, permissão para mulheres trabalharem à noite, e para serem chefe do domicílio, entre outras.

.

Na Arábia Saudita, houve melhoras também na mobilidade feminina, com remoção de restrições para obtenção de passaporte e viagens ao exterior. O país também passou a permitir que mulheres sejam chefes do domicílio, e removeu a obrigação de que mulheres obedeçam aos maridos.

.

Países desenvolvidos também promoveram mudanças: além do Canadá, a Alemanha estabeleceu a obrigatoriedade de igualdade de remuneração para trabalhos iguais; a Itália equalizou a idade de aposentadoria entre homens e mulheres; e, nos Estados Unidos, o estado de Nova York estabeleceu licenças paternidade e maternidade remuneradas.

.

E na América do Sul, o Uruguai estabeleceu a obrigatoriedade de igualdade de remuneração para trabalhos equivalentes.

.

.

Veja as dez economias com melhores e piores notas, segundo o Banco Mundial

.

Melhores notas:

  1. Bélgica: 100
  2. Canadá: 100
  3. Dinamarca: 100
  4. França: 100
  5. Islândia: 100
  6. Letônia: 100
  7. Luxemburgo: 100
  8. Suécia: 100
  9. Estônia: 97,5
  10. Finlândia: 97,5

.

.

Piores notas:

  1. Jordânia: 40,6
  2. Omã: 38,8
  3. Afeganistão: 38,1
  4. Síria: 36,9
  5. Kwait: 32,5
  6. Catar: 32,5
  7. Irã: 31,3
  8. Sudão: 29,4
  9. Iêmen: 26,9
  10. Cisjordânia e Faixa de Gaza: 26,3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Compartilhe nas suas redes sociais!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será divulgado.