mundo-xi-jinping

Mulheres chinesas quebram silêncio e #MeToo vira #WoYeShi

Saiu no site  VEJA:

 

Veja publicação original:   Mulheres chinesas quebram silêncio e #MeToo vira #WoYeShi

 

Censura imposta pelo regime é o maior obstáculo à divulgação dos relatos das vítimas de violência sexual

Por Diana Lott

 

Desde que as acusações de assédio sexual contra o produtor americano Harvey Weinstein deram força ao movimento #MeToo, em outubro do último ano, dezenas de mulheres em todo o mundo usaram a hashtag para compartilhar suas experiências como vítimas de violência sexual. Porém, o silêncio prevaleceu na China, que vive sob um autoritário regime comunista.

 

 

“Algumas mulheres vieram a público… mas o que impressiona é que foram muito poucas” disse Leta Hong Fincher, uma especialista no movimento feminista chinês, ao jornal britânico The Guardian. Para ela, a censura imposta pelo governo é o principal motivo para o silêncio das vítimas; a liderança do partido comunista, predominantemente composto de homens, teme a ideia de que seus membros supostamente “intocáveis” possam ser atingidos por campanhas similares à #MeToo.

Fincher acredita que as autoridades ordenaram à imprensa, controlada pelo governo, que evitasse cobrir de forma profunda ou agressiva o assunto. “Há um histórico de preocupação do governo chinês com agitações políticas que ocorrem do lado de fora de suas fronteiras e que afetam sua própria população. Não há dúvidas de que o movimento #MeToo é visto pelas autoridades como uma ameaça em potencial”, afirmou.

 

 

Porém, aos poucos mulheres começam a quebrar o silêncio em um país onde estudos sugerem que cerca de 80% das mulheres já foram vítimas de assédio sexual.

 

 

No dia 1º de janeiro, Luo Qianqian publicou uma denúncia online contra o professor que orientou sua tese de doutorado. “Não há mais motivos para ter medo… precisamos nos levantar com coragem e dizer ‘Não’!”, ela escreveu, encorajando outras a virem a público usando a hashtag #WoYeShi, “eu também”, em mandarim.

 

 

Fincher espera que mais vozes surgirão e considera que “apenas a pontinha do iceberg” foi exposta até o momento. “Todas as ativistas que trabalham com esses temas — estupro, assédio sexual e violência doméstica — dirão o mesmo”, afirmou.

 

 

Romper o silêncio na China é mais arriscado do que na Europa ou nas Américas. O regime chinês é conhecido por sua censura dos meios de comunicação e pela perseguição de opositores. Desde que Xi Jinping assumiu o governo em 2012, o governo aumentou a repressão e tem mantido até ativistas moderados na prisão. Em 2015, cinco líderes feministas foram detidas após organizarem uma distribuição de adesivos sobre assédio no transporte público.

 

 

 

 

 

 

…..

Compartilhe nas suas redes sociais!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será divulgado.